Grupo Operacional “Trigos com Baixo Teor em Pesticidas – BTP”

 “Trigos com Baixo Teor em Pesticidas – BTP”


Coordenador do GO: INSTITUTO NACIONAL DE INVESTIGAÇÃO AGRÁRIA E VETERINÁRIA IP

Área do plano de ação: Cerealicultura (excepto arroz)

Parceiros:

ANPOC – ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PRODUTORES DE CEREAIS; CERSUL – AGRUPAMENTO DE PRODUTORES DE CEREAIS DO SUL S.A.; COOPERATIVA AGRÍCOLA DE BEJA E BRINCHES , C.R.L.; ESPIRALPIXEL LDA; INSTITUTO POLITECNICO DE BEJA

Prioridade do FEADER: P2A) melhoria do desempenho económico de todas as explorações agrícolas e facilitação da restruturação e modernização das explorações agrícolas, tendo em vista nomeadamente aumentar a participação no mercado e a orientação para esse mesmo mercado, assim como a diversificação agrícola;

Identificação do problema ou oportunidade que se propõe abordar:

A oportunidade a ser resolvida por este GO é a produção de trigo mole com Baixo Teor em Pesticidas para a produção de farinhas lácteas para bebés. Portugal, pelas suas condições climáticas específicas e pelas características do solo, é um país competitivo na produção deste tipo de cereais que têm um valor de mercado superior ao trigo mole panificável corrente, com um prémio acrescido de 30€/tonelada (http://anpoc.pt/wp-content/uploads/2013/11/Oportunid..2.pdf). Neste mercado, beneficiam os agricultores que ao poderem recorrer a um serviço de aconselhamento e de assistência técnica (por parte dos técnicos das Organizações de Produtores), conseguem obter maior rendimento em culturas de qualidade mais elevada utilizando menos recursos. O facto de serem culturas para sequeiro incentiva a promoção num sistema cultural ainda muito significativo em zonas que não são beneficiadas por regadio. Ganham também os consumidores que reforçam a confiança nos produtos que compram, com a certeza de que são seguros, de alta qualidade e produzidos de acordo com práticas agrícolas sustentáveis. As variedades recomendadas, a obrigatoriedade de utilização de semente certificada, o cumprimento da rotação de culturas e as técnicas culturais permitidas para a obtenção destas matérias-primas são muito exigentes e rigorosas. Com o aparecimento de novas raças de ferrugem amarela, quebrou-se a resistência/tolerância da maioria das variedades existentes no mercado. Neste contexto torna-se urgente avaliar e testar novas variedades de trigo mole previamente identificadas pela Investigação como resistentes/tolerantes, bem como reforçar o controlo das práticas culturais adequadas de forma a continuar a garantir os critérios de exigência para este tipo de produto.

Objetivos visados:

A presente iniciativa propõe-se atingir os seguintes objetivos:

(1) Selecionar variedades adequadas à produção da fileira dos trigos BTP, ou seja, aquelas que apresentam resistência ou tolerância às principais doenças e pragas prevalecentes, nomeadamente às novas raças de ferrugem amarela;

(2) Validar as variedades selecionadas, por parte da produção, testando e comprovando o seu comportamento em scale up;

(3) Dotar os beneficiários de uma maior capacitação para a produção deste tipo de matéria-prima;

4) Reunir e estruturar informação visando a otimização e atualização dos cadernos de campo.

Sumário do plano de ação:

Este GO pretende interligar os membros de uma fileira que é a da produção de trigo mole com Baixo Teor em Pesticidas para o desenvolvimento de farinhas lácteas para bebés. Estas farinhas são realizadas com um tipo de cereal que é o trigo mole e que nestas situações atinge um valor de mercado superior ao trigo mole panificável, com um prémio acrescido de 30€/tonelada. Tendo em conta esta oportunidade, pretendem-se identificar variedades de trigo mole que sejam resistentes ou mais tolerantes (comparativamente àquelas que são atualmente recomendadas) às principais doenças e pragas que afetam a região mediterrânica do sul de Portugal, que é uma zona, pelas suas especificidades climáticas e pelas características do solo, de excelência na produção deste tipo de cereal.

Assim, propõem-se soluções sustentáveis e competitivas para a oportunidade que é produzir trigos BTP em Portugal através:

1) Identificação, em ensaios de campo, de variedades de trigo mole resistentes (produto);

2) Atualização/otimização dos cadernos de campo utilizados para a produção deste tipo de cultura (processo/tecnologia).

Pontos de situação do GO: Em início de atividade.

Este GO pretende interligar os membros de uma fileira que é a da produção de trigo mole com Baixo Teor em Pesticidas para o desenvolvimento de farinhas lácteas para bebés. Estas farinhas são realizadas com um tipo de cereal que é o trigo mole e que nestas situações atinge um valor de mercado superior ao trigo mole panificável, com um prémio acrescido de 30€/tonelada.

 

Apoios: